Reprodução/Divulgação


Na última sexta-feira, estreou em todo Brasil a produção da Walt Disney Pictures, OZ: Mágico e Poderoso.

O filme trouxe grandes referências ao clássico de 1939. Como trata-se de um prelúdio, o filme tenta mostrar um pouco da história de Oscar “Oz” Diggs (James Franco) um mágico de circo do Kansas, que ganha a vida enganando as pessoas com suas mágicas fajutas. Isso tudo é apresentado com uma estética muito semelhante ao que vimos no clássico. 

Com o início sendo exibido em FullScreen, preto e branco, até o momento em que o mágico chega a terra de OZ, em um balão que enfrentou um tornado. Da mesma forma que Dorothy começa a enxergar tudo colorido quando sua casa pousa em OZ, Oscar fica surpreendido com a grande quantidade de cores e a magia daquele local. Logo que pousa, encontra Theodora, (Mila Kunis) a irmã da bruxa Devanora (Rachel Weisz), que no momento comanda OZ, até que a profecia do grande mágico se torne realidade.

Só que Oscar chega a OZ e é enganado por Devanora, que o faz acreditar que Glinda (Michelle Williams) é a verdadeira bruxa má e que a única forma de atingir o poder na Cidade das Esmeraldas é destruindo sua varinha e, consequentemente, matando-a. Porém ao encontrar Glinda, Oscar descobre que na verdade era tudo mentira e junto a Glinda e o povo de OZ, eles tentam retomar o poder da Cidade das Esmeraldas.

Durante o desenrolar da história pela estrada de tijolos amarelos, ele encontra os seus companheiros que, diferente da versão original, não é mais o Homem de Lata sem Coração, o Espantalho e o Leão Covarde, mas sim um Macaco voador e uma Boneca de Porcelana.

Como trata-se de um prelúdio, para montar esse roteiro foram utilizadas muitos livros da saga de OZ, escritos por L. Frank Baum e para montar essa incrível história com seus personagens.

Obviamente muitas semelhanças com o roteiro original são notórias mesmo que sem muito destaque. Leões e Espantalhos aparecem no filme mesmo que não sendo personagens, Macacos Voadores, a Estrada de Tijolos Amarelos, os Munchkins e inclusive algumas das invenções do mágico, que aparecem no filme de 1939, são apresentadas desde o seu período de criação.

O que mais podemos ver é como a tecnologia ajudou na criação desse mundo de OZ. Na versão de 1939 vemos uma filmagem com estilo teatral. Já nessa com todos os recursos de CGI, temos um mundo totalmente novo e sem dúvida, deu vida a muitas situações que não seriam possíveis de realizar naquela época.

Com certeza, um ótimo filme para a toda a família!

A direção deste longa fica por conta de Sam Raimi (diretor da trilogia Homem-Aranha) e a produção por Joe Roth (da versão de 2010 de Alice no País das Maravilhas). O Roteiro foi adaptado por Mitchell Kapner e David Lindsay.


Como o filme entrou em cartaz nesta semana, ele deve seguir na programação dos cinemas brasileiros até o fim de abril. Lembrando que a Disney liberou cópias dubladas e legendas tanto em 2D, como em 3D. Lembrando que no Brasil, existem algumas salas de IMAX que disponibilizam o filme também, então verifique sua programação. Se você já viu ou vai ver e quer saber um pouco mais do filme, confira o canal do Youtube da Disney que possui muitos vídeos de bastidores e informações inéditas.

OZ | Entre dois mundos OZ | Entre dois mundos Reviewed by Neves on 14:31:00 Rating: 5