Reprodução/Divulgação

O Cavaleiro Solitário | Crítica


Francamente, eu estava muito cético em assistir o super aguardado novo filme do Johnny Depp (é assim que a maioria das pessoas chamam qualquer filme do ator quando não lembrar o titulo), 'O Cavaleiro Solitário', principalmente porque eu não sou um grande fã de filmes de faroeste, e ainda com um tempo de execução de quase 150 minutos parecia muito para lidar. No entanto, eu decidi dar-lhe uma chance, devido ao fator “Depp” e o diretor Gore Verbinsky que tem um histórico muito caprichado como um diretor.

Eu não vi a série de televisão 'The Lone Ranger', que foi ao ar de 1949-1957, sendo assim não sabia nada sobre os personagens e enredo, o que na minha opinião é uma coisa boa, uma vez que removeu chances de comparações indevidas.

Bem, vamos ao filme.

Logo no inicio do filme somos apresentados aos principais personagens do filme ou seja Tonto (Johnny Depp), John Reid (Arnie Hammer) e Butch Cavendish (William Fichtner). Verbinsky estabelece seus personagens de forma suave e sem problemas ao longo da narrativa, que é definitivamente um dos pontos altos do filme. Toda a história se desenrola como Tonto narra os contos de sua viagem e como John Reid passa a ser o Lone Ranger. Os dois formam uma equipe para levar Cavendish à justiça, cada um à sua maneira. John acredita na não-violência e no tribunal de justiça, já Tonto é exatamente o oposto. Tonto é um nativo americano guerreiro da tribo, que se sente responsável pelos fatos que ocorreram com seus companheiros e sua família devido a um acordo que fez com dois americanos brancos que ele salvou da morte certa quando era criança. John quer se vingar de Cavendish por eleser o responsável pela morte de seu irmão. (James Badge Dale).

Apesar de sua extensão, o filme nunca se arrasta ou se sente letárgico em qualquer ponto, em vez disso, fornece uma boa dose de riso em intervalos regulares e Depp brilha nessas cenas. As cenas em que o nativo realiza trocas de uma pena ou grãos por tudo que ele rouba de pessoas mortas é aquilo que o Depp faz de melhor. Caras e bocas.

Depp sempre esta acima dos outros personagens graças ao seu timing cômico impecável. A melhor faceta de sua personalidade é o fato de que ele é tão imprevisível. Você nunca sabe o que ele vai fazer a seguir. É compreensível que toda a escrita girava em torno dos dois personagens principais, John e Tonto e eu estou supondo que devido ao foco sobre esses dois personagens, alguns outros personagens coadjuvantes ficaram marginalizados. A sub-trama envolvendo Rebecca (Ruth Wilson) e seu relacionamento com John é meio cozido e não está bem desenvolvido. Da mesma forma, Helena Bonham Carter como Red Harrington é convincente como o “leggie mortal” mas ainda assim pouco aparece para que sua personagem deixe uma marca. 

Exceto os dois pequenos tropeços, O Cavaleiro Solitário é um bom filme. Se você busca um faroeste regado a doses cavalares de efeitos especiais com espaço para comédia. O Filme não ira desapontar. 

O Cavaleiro Solitário | Crítica O Cavaleiro Solitário | Crítica Reviewed by Marko Miller on 13:12:00 Rating: 5