Reprodução/Divulgação

Mistresses - 3ª Temporada | Crítica


Série se renova em meio a tantas mudanças.

Muito se esperava dessa 3ª Temporada de Mistresses, após várias histórias em aberto do final da temporada anterior e a conturbada saída de Alyssa Milano do elenco de protagonistas, fãs se perguntavam se os roteiristas saberiam lidar com a saída da atriz, finalizar todas as histórias em aberto e ainda apresentar uma nova protagonista e um núcleo totalmente novo. Felizmente, os roteiristas conseguiram dar um novo frescor à série e balancear muito bem o drama e o humor.

Alyssa Milano não aceitou retornar nem mesmo para finalizar a trajetória de Savi, mesmo assim, a saída da personagem é explicada ainda no primeiro bloco do episódio de estreia, e felizmente nada muito absurdo aconteceu, a saída da personagem ocorreu naturalmente e com o decorrer das histórias, Savi nem era mais lembrada.

O único impacto que a saída de Savi deixou foi a incrível culpa nos ombros de Joss (Jes Macallan), devido a seus sentimentos por Harry (Brett Tucker). Mesmo assim, a relação dos dois foi abordada da maneira certa dentro da trama, sem exageros e da maneira mais romântica possível, apesar de alguns desvios e clichês no meio da temporada. Também é válido destacar a incrível atuação de Macallan durante a temporada inteira em momentos dramáticos, tensos, mas sem perder o carisma que os fãs tanto amam na personagem.

Harry também se aventura em um território totalmente novo como chef de um novo restaurante e a possibilidade de uma carreira como chef-celebridade, uma storyline que pode ser interessante de se ver futuramente.

April (Rochelle Aytes) também teve ótimas storylines nesse terceiro ano. Sua relação com a filha Lucy (Corinne Massiah) foi muito abalada, e durante toda a temporada as duas lutam para perdoarem uma a outra. Ao mesmo tempo, as duas precisam se acostumar com a presença de Scotty (Julius Fair) e Mark (Rob Mayes), respectivamente filho e irmão de Miranda (Kate Beahan), para assim Lucy criar laços com o meio-irmão. Mark foi bem recebido pelos fãs e uma boa adição ao elenco masculino da série após a saída de Dom (Jason George), sua amizade com Harry e sua relação com Lucy e April foi evoluindo muito naturalmente, assim como as batalhas do personagem contra seus próprios dilemas. Conhecer um pouco mais do passado e da família de April também foi uma storyline interessante desse ano.

Por outro lado, Karen (Yunjin Kim) teve a história mais linda e dramática de toda a série. A personagem se viu em um intenso relacionamento a três com o casal Alec (Ed Quinn) e Vivian (Sonja Bennett). Pela primeira vez, Karen se viu em um relacionamento cem por cento honesto, mas como sempre, com inúmeras complicações. E dois grandes acontecimentos vão definir a trajetória de Karen a partir de agora, mas em histórias que possuem um potencial enorme e uma linda evolução para a personagem.

Por último, Calista Raines (Jennifer Esposito) chega para tampar o buraco deixado por Savi. A personagem é apresentada logo na última cena do primeiro episódio, de uma forma muito esporádica, basicamente quando um novo núcleo é apresentado nas novelas da Globo. Acho que os roteiristas poderiam ter introduzido a personagem melhor. No entanto, Calista é muito divertida, mas um tanto bipolar e no decorrer da temporada, nós vemos que Calista faz mais parte do núcleo de histórias de Joss, já que não possuí muitas cenas com Karen e April, e também não recebe o mesmo status de protagonista como as outras. Não sei se isso foi intencional por parte dos roteiristas, mas já sabemos que Calista não retorna para a Quarta Temporada. Uma pena, pois a personagem ainda poderia render boas histórias, só precisava ser melhor trabalhada.

Além da saída de Alyssa Milano, a série enfrentou outro impasse nessa temporada, a produção foi realocada de Los Angeles para o Canadá, e nesses casos sempre acabamos vendo algumas mudanças de cenários que simplesmente mudam sem qualquer explicação. E aqui vai outro ponto positivo para Mistresses, nenhum cenário foi modificado nessa mudança, as cenas externas também nos apresentam uma fotografia lindíssima, e não se percebe que se trata de uma locação em Vancouver e não na ensolarada Los Angeles.


Felizmente, apesar da audiência modesta, a ABC já deu sinal verde para a produção da 4ª Temporada de Mistresses, e após uma temporada tão boa como essa com um cliffhanger tão impactante e inesperado, podemos respirar aliviados e aguardar os novos episódios.

Mistresses - 3ª Temporada | Crítica Mistresses - 3ª Temporada | Crítica Reviewed by Roberto de Carvalho Neto on 16:14:00 Rating: 5