Reprodução/Divulgação


Após uma 1ª Temporada exatamente concisa, personagens cativantes e uma divertida storyline, mas sem ter muitas conexões com o Universo Cinematográfico Marvel (por exceção do filme Capitão América - O Primeiro Vingador), a série mais charmosa da Marvel voltou com uma temporada e histórias renovadas, mas sem deixar de lado as características que agradaram em cheio os fãs.

Ainda estamos em 1947 e logo nos minutos iniciais do primeiro episódio, uma história que ficou em aberto é rapidamente resolvida. Isso dá aos roteiristas, a chance de já focar cem por cento na nova missão da temporada e nos novos cenários para essa missão.

A série se muda de Nova York para Los Angeles, uma decisão mais que certeira. É muito mais fácil recriar a Los Angeles dos anos quarenta e assim a série começa a focar em cenários maiores e locações belíssimas, assim como o figurino de época que é impecável de detalhes e não deixa de ser elegante.

Além dos cenários, os roteiristas decidiram expandir a mitologia do vasto universo Marvel, e assim conhecemos a matéria negra, uma substância suspeita que surge diante de explosões atômicas e que ninguém sabe do que é capaz. Esse novo arco cria uma ligação entre a série e o filme do Dr. Estranho (previsto para novembro desse ano). Investir em um arco como esse definitivamente é arriscado, mas combinou imensamente com o clima e os personagens da série.

O elenco continua ótimo. A química entre Peggy (Hayley Atwell - Cinderela) e Jarvis (James D'Arcy - Broadchurch) é um dos pontos altos da série e volta ainda mais afiada. Assim como a relação de Peggy com Daniel (Enver Gjokaj - Rizzoli And Isles) que continua complicada, mas gostosa de se acompanhar e torcer pelos dois, mesmo com a chegada do Dr. Jason Wilkes (Reggie Austin - Pretty Little Liars) que mexe com o coração de Peggy e cria uma dinâmica interessante entre o trio. A dualidade de Jack (Chad Michael Murray - One Tree Hill) volta ainda mais forte, o charme do ator junto com ótimas piadas o torna um dos personagens mais divertidos de se ver, mesmo ele não sendo um mocinho, mas também não sendo um vilão. 

O retorno de Dottie (Bridget Regan - Jane The Virgin) também foi muito bem-vindo, mas sua personagem acaba ficando em segundo plano, diante da trama principal. Infelizmente, Angie (Lyndsy Fonseca - Nikita) retorna apenas como convidada especial em um episódio, no entanto, a personagem Rose (Lesley Boone - Desperate Housewives) ganha maior participação na trama, e agrada tanto no humor, quanto na ação. 

Além disso, a esposa de Jarvis, Ana (Lotte Verbeek - A Culpa é das Estrelas) finalmente aparece e se mostra uma ótima amiga para Peggy, além de uma personagem extremamente carismática e divertida, o par ideal para Jarvis. Sem falar nas participações especiais de Joseph Manfredi (Ken Marino - Veronica Mars), que rouba a cena com um vilão engraçado, mas não deixando a maldade de lado, além do retorno do inigualável Howard Stark (Dominic Cooper - Drácula: A História Nunca Contada) que apesar de participar de poucos episódios, sempre é importante para a história e para a missão.

De todos os mencionados, é importante destacar a incrível atuação de Wynn Everett (The Newsroom) como a vilã Whitney Frost. Sua performance é forte, e sua personagem passeia entre a elegância, a genialidade e a insanidade com uma veracidade enorme. Em um episódio específico, conhecemos um pouco mais do passado tanto de Peggy, quanto de Whitney, em um dos melhores episódios da série, vemos com ambas são parecidas, mas seguiram caminhos diferentes na vida, criando uma certa sincrônica entre heroína e vilã.


Os efeitos especiais são eficientes, e realistas na medida certa. E a trilha sonora de época também dá o tom necessário em várias cenas importantes.

A conclusão da temporada é satisfatória e não perde em nada para os filmes da casa das ideias, nos quesitos agilidade, ação e aventura, sem falar em várias referências que apenas os fãs mais ávidos do universo Marvel irão notar.

Algumas histórias ainda ficam em aberto para serem abordadas em uma possível 3ª temporada (a série ainda não foi renovada), e agora nos resta torcer para que essa não tenha sido a última missão da Agente Peggy Carter.

Agent Carter - 2ª Temporada | Crítica Agent Carter - 2ª Temporada | Crítica Reviewed by Roberto de Carvalho Neto on 11:12:00 Rating: 5