Reprodução/Divulgação

'A Livraria Mágica de Paris', de Nina George


Os livros podem fazer muitas coisas, mas não tudo. As coisas mais importantes a gente deve viver. Não ler. Preciso... vivenciar meu livro. (p. 247)
Memórias são como lobos. Não se pode encarcerá-las e esperar que deixem você em paz. (p. 12)
Pensa em um livro mimoso. Agora multiplica. Cheio de referências, citações e indicações é um livro que conquista o leitor nas primeiras páginas. Entrou rápido para minha lista de desejados quando fiquei sabendo da temática do livro e tornou-se uns dos meus favoritos da vida.

Em 'A Livraria Mágica de Paris', da autora alemã Nina George, conhecemos o livreiro parisiense Jean Perdu, sua forte ligação com livros e sua incrível jornada de libertação. Em seu barco-livraria, chamado de Farmácia Literária, Perdu não apenas vende livros, lê a alma de seus clientes, identifica personalidades e ‘receita’ exatamente o que cada deles precisa no momento, curando-os através das palavras. Existe apenas uma pessoa que Perdu não conseguiu identificar e prescrever uma cura: ele mesmo.
Sanary diz que, para encontrar as respostas para nossos sonhos, é preciso navegar para o sul. E que é possível se reencontrar lá, mas apenas se a gente se perder no caminho, se a gente se perder totalmente. Pelo amor. Pela saudade. Pelo medo. No sul, deve-se ouvir o mar para entender que o riso e o choro se parecem muito, e que a alma às vezes precisa chorar para ser feliz. (p. 83)
Há 21 anos, desde que Manon, a única mulher que amou, o abandonou enquanto dormia, deixando apenas uma carta que nunca teve coragem de ler, Jean Perdu vive em seu mundo particular, sem encontrar respostas, com seus conflitos internos, amargurado e sem ver beleza na vida. 

Com cinquenta anos, Perdu se tornou um homem solitário e reservado e após circunstâncias que o obrigam a ler a carta, vê sua vida mudar drasticamente. Acompanhado do vizinho, e jovem escritor, Max Jordan e do cozinheiro Salvatore Cuneo, Perdu parte em uma viagem pelos rios da França em busca de respostas, de libertação e reencontro de si mesmo, experimentando novas e velhas sensações a muito esquecidas. É com a ajuda de novos amigos que Perdu junta os pedaços, redescobre o amor e a vida e volta a construir sua história.
Ler é uma viagem sem fim. Uma viagem longa, até mesmo eterna, na qual nos tornamos mais brandos, mais carinhosos e mais humanos. (p. 116)
Nina George desenrola a história de modo que passado e presente de Perdu vão se entrelaçando aos poucos. É encantador, cheio de referências e indicações literárias. 'A Livraria Mágica de Paris' é de uma delicadeza sem tamanho, forte, tocante, profundo e intenso. 

Não é um "livro que fala sobre livros", mas sim da história e trajetória de um homem e seus livros. É um livro sobre perdas, paixões, tristeza, amor, rancor, dor e perdão. É sobre desfazer as amarras do passado, sobre (re) descobrir e reaprender. É sobre se perder e se reencontrar, sobre aceitar o que a vida lhe o oferece e se oferecer pra vida. É daqueles livros cheio de sentimentos e ensinamentos, pra levar no coração e reler em todos os momentos da vida.
Jean Perdu pensou nas Estações de Hesse. A maioria das pessoas conhecia a frase: "Em cada início habita um encanto..." Mas o complemento "que nos protege e nos ajuda a viver" apenas poucos conheciam - e quase ninguém compreendia que Hesse não se tratava de recomeço.
Tratava da preparação para a despedida.
Despedida dos costumes.
Despedida das ilusões.
Despedida de uma vida que ficara para trás havia muito e na qual se era apenas uma casca que, de vez em quando, era agitada por um suspiro. (p. 215)
Compre 'A Livraria Mágica de Paris'

'A Livraria Mágica de Paris', de Nina George 'A Livraria Mágica de Paris', de Nina George Reviewed by Maiara Lima on quinta-feira, junho 15, 2017 Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

comentários
DISQUS