Reprodução/Divulgação


'Wynonna Earp' é uma adaptação da HQ que leva o mesmo nome, uma mistura de suspense e faroeste sobrenatural, produzida por Emily Andras (Killjoys) para CHCH, do Canadá, e o SyFy, que tem os direitos de exibição nos EUA. A primeira temporada tem 13 episódios e está disponível na Netflix Brasil.

Wynonna (Melanie Scrofano, 'Robocop') é descendente de Wyatt Earp um xerife que além de prender criminosos era um caçador de demônios. Numa dessas caçadas algo deu muito errado e a família foi amaldiçoada; os demônios que foram mortos por Earp retornam, precisam ser destruídos e selados no inferno com ajuda da sua antiga arma. Vários herdeiros tentaram e nunca conseguiram.

Wynonna nunca acreditou na maldição até que seu Pai e sua irmã mais velha morreram numa tentativa de quebrá-la. Depois de anos longe, chegou a hora de enfrentar o passado e Wynonna retorna para a cidade natal, chamada Purgatório. Ela vai assumir seu papel como herdeira e com ajuda de sua irmã mais nova, Waverly (Dominique Provost-Chalkley, '12 Monkeys'), que cresceu na cidade e durante esses anos coletou informações sobre a família. Assim, tem uma teoria de como quebrar a maldição.


Os demônios sabem que a herdeira está de volta a cidade e planejam contra atacar, Bolbo (Michael Eklum, 'Bates Motel')  é cruel e está disposto a fazer qualquer coisa para impedir as irmãs Earp. Uma divisão especial e secreta do FBI acompanha há algum tempo os casos nada convencionais na cidade e envia o Agente Dolls (Shamier Anderson, 'Shots Fired') para investigar ele recruta as irmãs para trabalhar no FBI e juntos deter os demônios. Uma pessoa misteriosa aparece no caminho do trio e tem informações sobre Wyatt Earp, não se sabe seu nome ou de que lado ele está. 

Um ponto forte dessa série é a historia, muito boa e com potencial. A premissa lembra as primeiras temporadas de 'Supernatural', onde os irmãos Winchesters também tinham uma arma capaz de matar demônios. A historia prende desde o primeiro episódio, mas o grande problema e o que assusta de cara são os efeitos especiais. Fica difícil levar a sério de tão tosco, mas sendo curiosa e querendo mais informações sobre a maldição, levei até o fim.


A roteiro inicial não foi bem desenvolvido. Apenas a partir do terceiro episódio que a série melhora e mostra seu potencial. Eles apresentaram tantas informações nos primeiros episódios que as coisas ficaram soltas demais e demoraram a se conectar. Um personagem é apresentado para causar um certo mistério, mas ele fica perdido e sem importância chegando a parecer um figurante, porém ele é peça fundamental para quebrar a maldição.

Com a sequência dos episódios, os efeitos especiais não estão mais em evidência, assim, os atores mostram mais química e o amadurecimento dos personagens. Wynonna não sabia atirar, se defender ou simplesmente interrogar as pessoas, não foi da noite para o dia, mesmo sem jeito para coisa e até duvidando de si, ela não desistiu. Durante a temporada vimos a personagem se fortalecer, aprender com os erros e superar os problemas.


Esquecendo os efeitos especiais e focando na história, temos uma trilha sonora maravilhosa, figurino e fotografia muito boa. Se você gosta de personagens femininas, fortes e inteligentes a série apresenta várias delas. O romance não é o foco dessa temporada, as irmãs tem muitos desafios pela frente, mas isso não quer dizer que num futuro mais próximo o coração fale mais alto. Atualmente, 'Wynonna Earp' está na sua 2ª temporada e já foi confirmada até a 3ª temporada.

Wynonna Earp - 1ª Temporada | Crítica Wynonna Earp - 1ª Temporada | Crítica Reviewed by Cintia Milanez on 22:33:00 Rating: 5