Reprodução/Divulgação

O Rei do Show | Crítica

O cinema passou um bom tempo sem musicais de sucesso. E isso acontecia principalmente pelo medo de arriscar em obras originais, que não tinham passado pelos palcos da Broadway ainda.

Mas na última temporada 'La La Land' tornou-se um enorme sucesso, abrindo espaço para que as produtoras confiassem novamente nesses filmes. E foi isso que aconteceu com 'O Rei do Show', um filme que começou a ser produzido há mais de 7 anos e agora tornou-se um destaques do fim de 2017.

Baseado na história de P. T. Barnum, o filme apresenta a criação do circo como conhecemos hoje. Um espetáculo cheio de possibilidades, pessoas diferentes e com habilidades que impressionem o público. Mas se você vai para o cinema achando que vai conferir uma história cheia de momentos históricos ou detalhes da vida dos personagens, segura aí que não é bem isso. O filme é uma versão romanceada e resumida (até demais) da vida de Barnum (Hugh Jackman), que passa pela infância, quando ajudava o pai alfaiate, e fase adulta, quando está com Charity (Michelle Williams), filhas e o elenco do circo.

O filme apresenta uma narrativa sobre realização de sonhos, diferenças sociais e inclusão. Porém, talvez essa grande quantidade de assuntos seja um problema para um filme com 1h40min de duração. Poucos personagens ganham profundidade, o que muitas vezes é ruim, pois poderiam gerar uma conexão melhor deles com o público.


E isso fez diferença na hora de assistir o filme. Os trailers deram a impressão que as histórias dos participantes do circo teriam muito mais importância na história, que iríamos conhecer a origem de alguns deles, mas isso não aconteceu. Foi uma ótima ferramenta de inclusão e apresentação das diferenças, mas faltou dar mais espaço à eles, principalmente a Lettie (Keala Settle) que carrega a música chave do filme, 'This Is Me'.


A narrativa também apresenta dois romances: o principal, com Barnum e Charity, e o coadjuvante, com Phillip Carlyle (Zac Efron) e Anne Wheeler (Zendaya). É visível que o romance dos coadjuvantes é muito mais rico para a narrativa que foi criada, porém, como dito anteriormente, ele ganha destaque muito no fim do filme e faz com que ganhe tanta importância como merecia.

Outro personagem interessante na história é o crítico do New York Herald, James Gordon Bennett (Paul Sparks). Suas críticas trazem algo que ainda são pertinentes: entretenimento X realidade. Ele mostra que não tem medo de passar sua opinião, debater e, muitas vezes, influenciar seus leitores. Mas é claro que seu objetivo é fazer o "criador da arte" pensar sobre suas formas e como podem inovar ainda mais.


Uma coisa que chamou minha atenção, apesar de não ter um grande destaque, são as crianças do filme. Todas as vezes que elas eram apresentadas mostravam sua fascinação pelo universo criado por Barnum e seu elenco. E claro, levando aquelas referências para casa quando compram itens na lojinha (como a barba de Lettie ou o bastão do protagonista), afinal, eram uma inspiração para elas.


Como musical o filme funciona perfeitamente! Tem ótimas músicas, que fugiram das narrativas clássicas e apresentam um som pop de qualidade, que muitas vezes lembram um álbum do 'Imagine Dragons'. E sem esquecer das coreografias que são perfeitas, principalmente quando falamos da interpretação de Hugh Jackman. Destaque para a apresentação de 'The Other Side'.

A data de lançamento de 'O Rei do Show' deixou a clara intenção de levar o filme às premiações (só no Globo de Ouro são 3 indicações) e tudo indica que o filme terá grandes chances no Oscar 2018. O filme é muito bom, mas uma ótima notícia seria uma versão estendida para entendermos mais desse universo.

Dica Final: assista os créditos, está cheio de artes conceituais muito legais!

O Rei do Show | Crítica O Rei do Show | Crítica Reviewed by Lucio Pozzobon on 11:46:00 Rating: 5