Afastada da produção de telefilmes originais desde 2011 (o último foi, 'Homens de Bem'nomeado ao Emmy Internacional), a TV Globo, em parceria com o Globoplay, anunciou o retorno da categoria, agora com o Núcleo de Produção de Filmes dos Estúdios Globo. Inicialmente, com duas produções: 'Ritmo de Natal' e 'Dona Lurdes - O Filme' (esse ainda em produção).

Com o final de ano chegando, nada melhor que um filme de Natal. Sendo brasileiro, melhor ainda! Afinal, a estética pode até ser parecida com o que assistimos em filmes do exterior, mas a cultura é completamente diferente. 

Com roteiro de Juan Jullian e Leonardo Lanna, e direção de Allan Fiterman, 'Ritmo de Natal' cumpre muito bem seu papel na retomada desse núcleo de produção, considerando o quantidade de possibilidades e histórias que podem ser contadas futuramente.


O filme conta a história da cantora de funk Mileny (Clara Moneke), que se envolve com o violinista Dante (Isacque Lopes). O plano inicial do casal é passar o primeiro Natal juntos na mansão da cantora, a família dela muda os planos, desiste da viagem para Orlando e chega de surpresa na casa. E quando digo surpresa, ela é muito maior para o Dante.

Depois desse momento inesperado, Mileny prepara mais uma surpresa para Dante, enquanto ele dormia. Ela convida sua mãe, Inês (Tais Araújo), uma musicista extremamente controladora, principalmente quando se fala em organização do Natal, para participar das festividades. O que ninguém esperava é que a união das famílias iria trazer tantas confusões e vários momentos divertidos.


No geral, 'Ritmo de Natal' cumpre muito bem sua proposta! Traz a essência do filmes de Natal, com um formato que já estamos acostumados, mas consegue complementar com nossas referências, seja na estética ou nas músicas, principalmente os clássicos do funk. 

Um dos pontos que chama muita atenção é o contraponto criado entre o tradicional, que vem da personagem da Taís Araújo, com o nacional/brasileiro, que vem com a família da Mileny. É muito bom perceber que as culturas podem até divergir, mas ainda assim estão conectadas.

Sobre as atuações, é necessário ressaltar que Clara Moneke e Tais Araújo precisam trabalhar mais juntas! A química em cena funciona muito bem. Além disso, Clara Moneke participou das duas músicas originais do filme, 'Sentada Mortal' e 'Vem Misturar', que já estão nas plataformas de áudio.

Acho extremamente interessante e importante trazer nos filmes, principalmente os de Natal, que normalmente trazem culturas pré-estabelecidas e estruturas visuais muito bem conhecidas, novas visões, como exemplo o funk e a culinária, no caso, a macarronese. Trouxe outras referências que fazem parte do nosso popular, que não enxergávamos, porque eram poucos os filmes com temática natalina produzidos no Brasil.

Foi uma iniciativa extremamente importante da TV Globo, do Globoplay e também da patrocinadora, a Coca-Cola, em oportunizar ao público esse filme. Ver que a nossa cultura também pode ser representada de formas diferentes, sendo na comida que está na mesa ou até nas discussões familiares.

Não sei se o objetivo da Globo é exportar o filme, mas seria muito interessante começar esse processo, até para divulgar nossa cultura natalina. Na sequência, assista ao trailer do filme:

*Texto iniciado no Letterboxd