Reprodução/Divulgação

Truque de Mestre: O 2º Ato | Crítica


Os Cavaleiros estão de volta e dessa vez, abusando da velha ideia de "Quanto Maior, Melhor" e assim, Truque de Mestre: O 2º Ato mostra-se muito maior, mais ambicioso e exagerado que o primeiro filme.

Louis Leterrier não retorna como diretor, mas Jon M. Chu (G.I. Joe: Retaliação) foi mais que competente ao assumir esse filme, apostando no humor, na ótima química que o elenco apresenta, e mantendo uma boa simetria entre efeitos especiais e técnicos, porém, as cenas de luta poderiam ter sido melhor coreografadas.

Além disso, o diretor sabe como aproveitar o que cada personagem pode trazer para a história e mostrar diferentes pontos de uma mesma cena, sem parecer tedioso ou repetitivo.

O roteito de Ed Solomon (As Panteras) e Pete Chiarelli (A Proposta) possui uma boa história, mas acaba se perdendo entre tantos acontecimentos, excesso de personagens, e peca por tantos plot twists. Apesar de começar com uma importante cena de flashback, e ser objetivo em logo explicar a ausência de Henley (Isla Fisher), é visível que alguns elementos deveriam ter sido melhor planejados. Mesmo assim, o roteiro investe no humor e na ação, introduz muito bem os novos personagens, e com naturalidade faz os truques incrivelmente elaborados parecerem possíveis, os explicando de forma rápida e dando um toque de realidade para a produção.


Certamente, a grande alma do filme está no elenco. Os protagonistas Dylan Rhodes (Mark Ruffalo - Spotilight: Segredos Revelados), Daniel Atlas (Jesse Eisenberg - A Rede Social), Merritt McKinney (Woody Harrelson - Jogos Vorazes) e Jack Wilder (Dave Franco - Vizinhos) formam um ótimo grupo, e trazem de volta as características mais marcantes de cada personagem. Embora Hanley faça falta, Lula/Lola (Lizzy Caplan - Meninas Malvadas) foi uma ótima adição ao grupo, proporcionando as melhores piadas do filme, e com um ótimo entrosamento com os outros ilusionistas.

Thaddeus Bradley (Morgan Freeman - Menina de Ouro) e Arthur Tressler (Michael Caine - Miss Simpatia) também retornam, e possuem grande importância para a trama como um todo, mesmo que os dois personagens sejam um pouco caricatos.

Dentre as novidades, temos Walter (Daniel Radcliffe - Harry Potter) e Li (Jay Chou - O Besouro Verde), os personagens são introduzidos de uma boa maneira, e ambos são divertidos. Porém é inegável que os dois mereciam um desenvolvimento melhor. Fora isso, a personagem Alma (Mélanie Laurent), vista no filme anterior, não é nem mesmo mencionada nesse segundo filme, desaparecendo sem maiores explicações, algo que não deveria ter sido deixado de lado.


Além do elenco, a fotografia de Peter Deming (Pânico 4) é deslumbrante, mostrando ótimos pontos de cidades icônicas como Londres e Macau, na China. Assim como o figurino de Anna B. Sheppard (Bastardos Inglórios) com roupas elegantes de alta-custura, mas pensadas com cuidado de acordo com cada personagem.

Apesar de suas falhas, Truque de Mestre - O Segundo Ato não deve desagradar os fãs do primeiro filme, pois continua sendo puro entretenimento e nos proporcionando boas duas horas de diversão, risadas e uma boa dose de ação, mas definitivamente não possui o mesmo espírito do longa original.

Truque de Mestre: O 2º Ato | Crítica Truque de Mestre: O 2º Ato | Crítica Reviewed by Roberto de Carvalho Neto on terça-feira, junho 21, 2016 Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

comentários
DISQUS