Reprodução/Divulgação

'Pose' traz a importância da representatividade e vai muito além dos laços familiares


A série 'Pose' foi inspirada no filme-documentário 'Paris is Burning' de 1990, dirigido e escrito por Jennie Livingston e gravado em diferentes fases da década de 1980, que segue a comunidade LGBTQ+ na cidade de New York. Produzida por Ryan Murphy (Glee/American Crime Story), Brad Falchuk, Steven Canals, a escritora trans Janet Mock e a pianista Our Lady J. A temporada está disponível no FOX App, para assinantes dos pacotes FOX+ e FOX Premium.

Trazendo a noite e a cultura gay e trans de Nova Iorque, em competições de desfile e dança que ocorriam frequentemente num local onde os excluídos da sociedade se uniam em grupos. Lá, cada membro era considerado como família, eles moravam juntos numa casa liderados por uma "mãe"que tinham a responsabilidades, instruir no caminho mais digno possível dentro das dificuldades sociais e a falta de preparo e total descaso com o surgimento do HIV. A noite as casas competiam entre si em várias categorias em busca de um troféu. 

Elektra Abundance (Dominique Jackson), responsável pela casa de Abundance, é a maior vitoriosa dos bailes, egoísta e trata seus filhos com soberba. Cansada de sofrer sob as garras dela, Blanca Evangelista (MJ Rodriguez), decide formar sua própria casa levando a amiga Angel (Indya Moore), que trabalha como prostituta nos cais da cidade, e Damon (Ryan Jamaal Swain) que sonha em ser dançarino profissional, por isso foi expulso de casa pelos pais religiosos.


A Casa Evangelista vai crescendo aos poucos e conseguindo chamar atenção de todos nos Bailes, aumentado ainda mais a rixa entre a Casa Abundance. Fora dos Bailes os personagens vão lidando com as dificuldades de encontrar um emprego, ser aceito em locais que não seja exclusivo para o meio LGBTQ+, a falta de informação e prevenções contra a AIDS, entre outras problemáticas que vão desenvolvendo-se no decorrer da temporada.

A série divide a narrativa em núcleos, as brigas e o glamour dos bailes fica um pouco de lado ao chegar ao meio da temporada, conhecemos melhor os dramas de cada personagem. Damon é o mais novo e ingênuo, se apaixona pela primeira vez, deixa os estudos de lado e carrega os dilemas de todo adolescente. Temos a Angel que ganha a vida como prostituta, ela conhece Stan (Evan Peters), um típico americano criado pelas regras conservadoras, casado e com um empregado dos sonhos. Eles vivem esse amor proibido.


Ryan Murphy é conhecido pela qualidade de suas produções, essa não seria diferente. 'Pose' resgata a nostalgia dos anos 80 e traz muito brilho. A trilha sonora é composta por grandes artistas, como Donna Summer, Whitney Huston, Diana Ross, Tears for Fears, Grace Jones e muitos outros. A ambientação e figurino em sintonia com o visual exagerado e colorido da época.

Todos os personagens soam reais, dentro dos 8 episódios com uma hora de duração. A série fala sobre representatividade, sobre minorias, mostra o quanto uma família vai muito além de um laço sanguíneo. 


'Pose' se destaca por ser a produção com o maior elenco transgênero, cinco protagonistas transexuais negras e uma equipe de mais de 140 pessoas LGBTQ+. Os lucros vão ser 100% revertidos a organizações ligadas a essa comunidade. A série retorna em meados de junho de 2019 para a segunda temporada.

'Pose' traz a importância da representatividade e vai muito além dos laços familiares 'Pose' traz a importância da representatividade e vai muito além dos laços familiares Reviewed by Unknown on quarta-feira, fevereiro 06, 2019 Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

comentários
DISQUS