Marcando o retorno de Larissa Manoela aos cinemas, 'Tá Escrito' é um filme redondinho! Tem uma boa história e desenvolvimento, é divertido, os coadjuvantes interagem bem com a protagonista e consegue entreter em pouco mais de 1h30. O roteiro de Thuany Parente, Matheus Souza e Mariana Zatz é excelente e foi essencial para a história funcionar.

Na história, Alice (Larissa Manoela) é uma especialista em astronomia, algo que herdou do seu pai já falecido. Ela mora com a mãe (Karine Teles) e o irmão (Kevin Vechiatto) e sempre vive em altos e baixos na relação familiar, seja nas brigas com o irmão ou com a necessidade extrema de organização de sua mãe.


Em um momento de tentar coisas novas, aceita a indicação de Marina (Caroline Dallarosa), sua melhor amiga, para uma vaga em uma agência de influenciadores. Diferente do esperado, a vaga é para uma pessoa com conhecimento em astrologia, não astronomia. Mesmo sendo algo que ela não tem conexão, Alice tem um certo conhecimento, afinal seu pai, além de astrônomo, era astrólogo.

Com medo das câmeras e da opinião alheia, a protagonista se vê com muitas dúvidas sobre o que estava fazendo e como iria seguir nessa nova vida, até um caderno mágico chegar em suas mãos. Nele, tudo o que fosse escrito, vinculado a algum signo, aconteceria. Foi a partir dessa oportunidade, que ela percebeu sua vida, e de quem estava ao redor, mudar completamente.


Em meio a confusões no seu relacionamento amoroso (André Luiz Frambach), a amizade com Pedro (Victor Lamoglia) e as brigas com sua prima Vanessa (Thuany Parente), que agora é uma estrela da música, Alice precisa entender o limite e a responsabilidade de modificar as características do signos e como essas mudanças implicam na sua vida também.

No geral, foi um filme que gostei muito e reassistiria outras vezes. Não senti que histórias ficaram perdidas, tem um desenvolvimento muito bom dos personagens e das características da personalidade, conforme os signos recebem os indicativos para melhorar ou piorar. Sem contar as músicas originais que Vanessa canta! Só falta entrar nas plataformas!

Sobre a atuação da Larissa Manoela, sua naturalidade e espontaneidade foram destaque na atuação. Não parecia ter medo de arriscar, parecer vulnerável e engraçada, quando necessário. Provavelmente um resultado do bom elenco que coopera com a narrativa, roteiro e também da direção de Matheus Souza, que está se tornando um expert no gênero jovem/jovem adulto nos últimos anos.

*Texto iniciado no Letterboxd