Reprodução/Divulgação

Punho de Ferro - 1ª Temporada | Crítica

É difícil acreditar, mas já faz quatro anos que a Marvel e a Netflix anunciaram a produção de quatro séries de heróis, sendo elas 'Demolidor', 'Jessica Jones', 'Luke Cage' e 'Punho de Ferro', onde todas levariam a 'Os Defensores' eventualmente. Agora, as quatro séries já estão disponíveis no serviço de streaming, e o último defensor do grupo chega como uma ótima adição ao catálogo de séries originais da Netflix.

Sem muitos rodeios, os primeiros minutos já nos apresentam aos personagens principais. Danny Rand (Finn Jones - Game of Thrones) é o grande estopim da série. Pode-se dizer que o jovem ator leva com louvor o posto de protagonista. É visível como Jones carrega a inocência, coragem e as habilidades que o personagem exige, e chega a impressionar nas cenas de meditação. 

Em seguida, somos apresentados a Joy Meachum (Jessica Stroup - 90210) e Ward Meachum (Tom Pelphrey - Banshee). Irmãos e atuais diretores das empresas Rand. A princípio, vemos como ambos são unidos, mas com o decorrer dos episódios, revela-se como os dois possuem seus segredos e possíveis traumas. Stroup entrega uma boa atuação e é perceptível como a jovem atriz evoluiu desde seus dias em Beverly Hills, mas Pelphrey entrega um verdadeiro show à parte, em cenas tensas, e expressões que transmitem todos os seus sentimentos.


Colleen Wing (Jessica Henwick - Game of Thornes) logo é introduzida e seu destino como amiga e parceira de Danny é levado com naturalidade, e é fácil se afeiçoar com a personagem que também impressiona nas cenas com artes marciais. Enquanto que Harold Meachum (David Wenham - O Senhor dos Anéis) é o grande vilão da série e também apresenta uma brilhante atuação. Apesar de sabermos que se trata do grande vilão desde do primeiro episódio, certas atitudes e discursos nos levam a questionar se o personagem é assim tão vilanesco. Assim como Wilson Fisk, Kilgrave, Boca de Algodão e Mariah Dillard, o grande vilão é humanizado, algo que só beneficia o roteiro da série.

Além dos personagens principais, Claire Temple (Rosario Dawnson - Sin City), Jeri Hogarth (Carrie-Anne Moss - Matrix) e Madame Gao (Wai Ching Ho - Orange Is the New Black) chegam para criar um vínculo entre as outras séries, mas as três são bem trabalhadas pelo roteiro e cada uma possui uma profundidade própria em cena, principalmente a última que possui grande importância na trama central.


Apesar do elenco selecionado a dedo, o roteiro da série tende a errar em alguns pontos e apresentar alguns "furos", mas nada que não possa ser justificado. A trama se divide entre o passado de Danny em K'un-Lun, o mundo corporativo das empresas Rand, e as descobertas sobre a maléfica organização conhecida como Tentáculo. 

O roteirista Scott Buck (Dexter) soube adaptar os quadrinhos para as telas, aproveitando pontos de histórias clássicas, e algumas mais recentes, sem esquecer a essência desses clássicos personagens. A trilha sonora da série impressiona, onde o Hip-Hop surpreendentemente combina com as cenas e o clima que a série traz, e o tema de abertura é tão viciante quanto os temas das outras séries.

Os efeitos especiais se destacam entre tudo, é evidente que algumas cenas nos altos do Himalaia foram criadas com CGI, mas impressionam com tantos detalhes. Já outras cenas que se passam na China claramente foram filmadas em Nova York, mas a equipe de produção soube disfarçar bem. A fotografia da série só se beneficia com tudo isso. 'Demolidor' e 'Jessica Jones' filmaram em alguns dos melhores pontos de Hell's Kitchen, enquanto 'Luke Cage' aproveitava o melhor do Harlem, 'Punho de Ferro' soube aproveitar imensamente o que há de melhor em Manhattan e Chinatown.


De longe, a série também é a que mais apresenta easter eggs sobre as outras séries e filmes do Marvel Cinematic Universe. Então, é bom ficar de olho.

Muitos críticos e alguns fãs ficaram decepcionados com os rumos que 'Punho de Ferro' levou em sua temporada de estreia, mas todas as escolhas criativas se mostraram extremamente eficientes para introduzir o personagem no mesmo ambiente, e no mesmo clima, dos outros heróis urbanos da Marvel.

Além disso, o último episódio da temporada deixa claro que o lado mais místico do personagem deve ser melhor abordado em uma possível 2ª temporada. Ou seja, Danny Rand ainda não terminou seu treinamento e ainda precisa aprender muito sobre o 'Punho de Ferro'. A jornada do herói está apenas começando. Então, espero que a Netflix decida renovar a série o quanto antes.

Assim, a quarta série produzida entre a Marvel e a Netflix se mostra tão satisfatória quanto as outras, apresentando alguns tropeços, personagens cativantes, e uma série que pode crescer muito em futuras temporadas. Resta saber se o já dividido público irá abraçar esse novo herói. E agora, contagem regressiva para 'Os Defensores'.

Punho de Ferro - 1ª Temporada | Crítica Punho de Ferro - 1ª Temporada | Crítica Reviewed by Roberto de Carvalho Neto on 14:00:00 Rating: 5