Reprodução/Divulgação

13 Reasons Why - 1ª Temporada | Crítica

Precisei de alguns dias para absorver tudo. Não é o tipo de série que você consegue maratonar e ver num dia só. Passei quase uma semana para concluir e mesmo assim não foi fácil. 

'13 Reasons Why' é a nova série da Netflix mais comentada do momento, a nova modinha ou como estão chamando por ai, a nova 'Stranger Things'. Não Acredito que trata-se de uma modinha e sim uma quebra de silêncio, criou-se um alerta, um manifesto de um assunto tão delicado, o suicídio. A série é uma adaptação do best-seller de mesmo nome do Jay Asher. Dirigida por Thomas Mccarthy (Spotlight: Segredos Revelados) e produzida por Selena Gomez com o roteiro de Brian Yorkey vencedor de um prêmio Pulitzer por 'Next To Normal'.


No início, conhecemos Clay Jensen (Dylan Minnette) que encontra uma caixa com 13 fitas cassetes na porta de sua casa, ouvindo as fitas ele descobre que Hannah Baker (Katherine Langford) sua colega de colégio lista os 13 motivos que a levaram a cometer suicídio. O primeiro pensamento dele é não ouvir. Tinha medo de descobrir o que ele tinha feito para de ruim para ela.

Com 13 episódios cada um contando os eventos de um lado da fita narrada por Hannah, contando sua versão dos fatos e lista todos aqueles que a machucaram, assediaram e torturaram psicologicamente. Numa narrativa dupla entre passado e presente, acompanhamos o fardo de Clay ao ouvir tudo aquilo, ele também tem seus próprios problemas, ansiedade e não sabe socializar bem com as pessoas, sendo retraído demais e muito tímido.


Clay vai ouvindo as fitas e o quebra-cabeça vai se formando prendendo o espectador do começo ao fim. Hannah não conseguiu lidar com a pressão do bullying, procurou ajuda e recorreu aos amigos e percebeu que estava sozinha. Clay tenta desistir de ouvir as fitas, ele começa a lembrar dos momentos com Hannah durante as aulas ou até mesmo nos corredores do colégio. Não consegue dormir direito e passa a reviver as situações. Ele é incentivado pelos outros que também ouviram as fitas, alguns querem manter silêncio sobre as fitas, mas Clay confronta algumas pessoas e tenta traças um plano de vingança e ninguém sair impune.

A série levanta assuntos que ainda são considerados tabu: bullying, sexting, suicídio, estupro, homossexualidade, depressão e até a falta de comunicação entre pais e filhos adolescentes. É importante ressaltar que os assuntos abordados durante os episódios podem servir de gatilho para algumas pessoas, o chamado Trigger Warning.

A ideia é avisar e prevenir pessoas de terem fortes respostas emocionais ao entratem em contato com um determinado assunto gerador de stress e desconforto emocional. É informado ao espectador antes de começar os episódios 12 e 13, porém o episódio 9 também tem esse gatilho e não é avisado. Particularmente eu não me sentir bem após assistir o episódio e gostaria de ter sido avisada, então deixou aqui o reforço do alerta de gatilho.


O elenco é quase todo formado por rostos novo e nem um pouco conhecidos, dando um show de atuação e química. A trilha sonora é  recheada de clássicos do rock e algumas reviravoltas no final deixando uma brecha para uma suposta 2ª temporada. Devido ao sucesso da série foi criada uma campanha na internet "Não seja um Porquê" com o objetivo de abrir os olhos das pessoas contra a pratica do bullying

O que eu fiz? Eu fui um porquê de alguém? 

'13 Reasons Why' nos leva a refletir, voltar no passado. É forte, intenso, real e sensível. Vai fazer você lembrar de coisas que fez questão de esquecer, feridas podem ser abertas, É realmente necessário que as pessoas assistam a série e entendam que essas "brincadeiras" podem trazer consequências. É a série do momento? Ótimo. Falem sobre isso, debatam e principalmente não sejam um Porquê e ajudem uma Hannah.

13 Reasons Why - 1ª Temporada | Crítica 13 Reasons Why - 1ª Temporada | Crítica Reviewed by Cintia Milanez on 14:28:00 Rating: 5