Reprodução/Divulgação

MANIAC - 1ª temporada | Crítica


Mesmo para um serviço que produziu um show de comédia sobre uma mulher que sai de um encarceramento de 15 anos em um bunker e outra sobre ética, filosofia e a inadequação do iogurte congelado em um paraíso não-denominacional, a última aposta da Netflix é corajosa.

'MANIAC', cujos 10 episódios estão disponíveis na Netflix desde o dia 21, é vagamente baseado em uma série de televisão norueguesa. É escrito por Patrick Somerville e dirigido por Cary Fukunaga, o último - que acaba de ser confirmado como o novo diretor de James Bond - trazendo todo o comando e sensibilidade de sua reverenciada primeira temporada de True Detective.

O mundo de 'MANIAC' é um futuro próximo em Nova York no qual a Estátua da Liberdade Extra domina o horizonte e as pessoas complementam seus ganhos tornando-se maridos fingidos para viúvas, ou porquinhos-da-índia para grandes empresas farmacêuticas com ambições ainda maiores.


O episódio piloto é denso para o resto de uma temporada que irá reinventar seus protagonistas e espalhá-los através do tempo, espaço e gênero sem perder o seu fio, graças à melhor escrita e melhores performances de carreira de Jonah Hill e Emma Stone.

Owen Milgrim (Hill), é um filho intimidado, introvertido e mentalmente instável de uma família rica com descendências muito mais brutais para se manter, incluindo uma a quem Owen é vítima de álibi em um julgamento por um crime não especificado. Ele tem visões de seu irmão Jed, que lhe diz que a estranha Annie Landsberg (Stone) revelará a ele sua heroica missão na vida.



O casal se encontra em um julgamento por uma nova droga radical destinada a erradicar toda a dor humana desnecessária e o sofrimento, que - com os participantes colocados em suas vagens - irá fornecer a entrada necessária para as histórias de outras "realidades" dos próximos episódios.

'MANIAC' é atraente. Você pode escolher enxergá-la como uma ficção científica ou como um drama (que será vista pela monstruosa dinâmica da família Milgrim, a sutileza da tristeza de Owen e - um pouco mais adiante - o triste e estranho desmanche dos relacionamentos desfeitos e disfuncionais de Annie). Hill mantém suas histórias em quadrinhos em segredo e, embora não deva ser uma surpresa quando brilhantes atores de comédia se revelam brilhantes atores dramáticos, de alguma forma isso sempre vem como uma revelação.


Da mesma forma, Stone firma seu lugar como uma das melhores atrizes dessa década, com uma versatilidade para papéis, personagens e expressões que só fizeram aumentar minha admiração por ela.

'MANIAC' é um programa desequilibrado, surreal, intrigante e comovente. Sem dúvida entra no hall de melhores minisséries de 2018. Stone e Hill entregam suas vidas aos papéis e merecem toda e qualquer honraria que a minissérie venha trazer futuramente.

MANIAC - 1ª temporada | Crítica MANIAC - 1ª temporada | Crítica Reviewed by Marko Miller on segunda-feira, setembro 24, 2018 Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

comentários
DISQUS