Reprodução/Divulgação

The Sinner - 2ª Temporada | Crítica


'The Sinner' é uma minissérie da USA Network (distribuída no Brasil pela Netflix), produzida por Derek Simonds (Me Chame Pelo Seu Nome) e Jessica Biel (O Massacre da Serra Elétrica). A primeira temporada foi baseada em um romance policial de 1999 da escritora alemã Petra Hammesfahr. A série foi indicada ao Globo de Ouro nas categorias, 'Melhor Filme para TV ou série limitada' e 'Melhor Atriz de Minissérie ou Filme feito para TV'.  

De volta com novos episódios e uma nova história independente, o detetive Harry Ambrose (Bill Pullman, Sintonia de Amor) é chamado à sua cidade natal pela detetive Heather Novack (Natalie Paul,The Deuce), para auxiliar em um caso envolvendo Julian (Elisha Henig, Alex,Inc) um misterioso garoto de 11 anos acusado de assassinar os pais por envenenamento em um hotel. Pra quem gosta de investigação a série mantém o mesmo clima de antes, brincando sempre com psicológico, pistas, planos e dribles instigantes. 

Heather Novack é uma detetive novata e precisa provar o seu valor, seguindo os passos do pai, agora aposentado. Ambrose e seu pai eram colegas e devido o sucesso no caso de Cora, ela decide pedir uma consultoria ao experiente detetive. O caso acaba despertando lembranças do passado dele, a conturbada relação com a mãe e o incêndio em sua casa. Ele acaba criando uma conexão empática com o Julian, seguindo sua intuição e acreditando que existe muito mais nesse crime onde uma criança sem motivo e sem nenhum registro comete um assassinato tão cruel.


Na tentativa de descobrir algo sobre o garoto, Ambrose localiza Vera Walker (Carrie Coon, The Leftovers) que diz ser mãe biológica de Julian. Ela é líder de uma comunidade religiosa famosa na região, porém pouco se sabe sobre o local. Tudo é mantido em segredo, poucas pessoas tem acesso. Existem muitas dúvidas sobre o funcionamento da comunidade, mas parece um culto a uma entidade.

Elisha consegue transmitir com apenas um olhar as alterações de humor e personalidade do Julian. Uma criança que passou por muita coisa e teve experiencias que poucas crianças da sua idade teve. Vera tenta manipular o filho, não permite que ele fale ou se expresse, porém Julian acaba confessando o crime.


Mesmo recebendo ajuda Heather mostra que é uma ótima detetive, só falta a experiência e vivência do trabalho em campo. Ela precisa lidar com questões sociais, como ser mulher negra em uma delegacia, tentando construir seu espaço longe da sombra do sucesso do pai. 

A série tem um ritmo mais lento nessa temporada. As reviravoltas na trama continuam chocantes e fazem você refletir sobre questões religiosas, sociais, comportamentais. Não seria justa uma comparação com a primeira temporada por que foi um caso encerrado e aqui temos outro enigma que também chegou a sua conclusão. 


Bill Pullman conseguiu entregar um personagem tão denso, quebrado, humano e ao mesmo tempo um detetive com uma olhar que vai além do óbvio e dos fatos que merecia mais episódios ou casos para vê-lo em ação. 'The Sinner' pode e merece outra temporada, porém, até o momento não foi emitido nenhum comunicado oficial sobre o futuro da série.

The Sinner - 2ª Temporada | Crítica The Sinner - 2ª Temporada | Crítica Reviewed by Cintia Milanez on terça-feira, novembro 13, 2018 Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

comentários
DISQUS