Reprodução/Divulgação


Quando você lê a sinopse de “A Escolha Perfeita”, o primeiro pensamento pode ser que será só mais um filme que lembra Glee com seus cantos de coral. Porém, o resultado é muito melhor do que o esperado e, com certeza, muito mais divertido.

Beca é caloura na Universidade de Barden e apesar de estar começando sua graduação, não era o seu maior desejo. Ela queria mesmo era ser DJ em casas noturnas, mas seu pai a obrigou a cursar pelo menos um semestre do curso.

Como é comum nas universidades americanas, os alunos podem participar de alguns grupos para ganhar horas extras. Apesar de não acreditar muito na possibilidade, Beca participa da seleção para um dos grupos acapella, o The Bellas, e junto com outras garotas elas formam um novo grupo, depois do desastroso desempenho do ano anterior.

Com Fat Amy e as outras garotas, elas tentam mostrar que podem continuar na competição, mas depois de Beca perceber que o formato tradicional que elas vêm apresentando não estava dando mais certo. A única opção que ela vê é modernizar as batidas, como se vestem e como querem ser vistas pelo público.


O filme foi uma grande surpresa para todo o público e pelo que vi (de acordo com as notas) até os críticos viram isso. O filme e a trilha sonora é uma ótima pedida para curtir com os amigos. O filme ainda está em cartaz em algumas redes de cinema, mas será lançado em Abril para as locadores e varejo.

A Escolha Perfeita | Crítica A Escolha Perfeita | Crítica Reviewed by Lucio Pozzobon on 18:56:00 Rating: 5