Reprodução/Divulgação

Chicago Med - 1ª Temporada | Crítica

Você já deve estar familiarizado com o nome Chicago na televisão, afinal de contas as séries que levam esse nome fazem muito sucesso. No Brasil, as produções de Dick Wolf, especialista em séries criminais e responsável por criar Miami Vice e Law & Order são exibida pelo Universal Channel.

Chicago Med é a segunda série derivada de Chicago Fire. A priemeira foi Chicago PD. Ela foi inserida aos poucos entre ambas as séries. Tudo começou no Corpo de Bombeiros (Chicago Fire), que atende as chamadas, dependendo dos casos requer a presença da policia, daí o pessoal do Distrito 21 (Chicago PD) aparece para ajudar, seja afastando os curiosos das cenas dos crimes ou ajudando a soluciona-los. Tudo está ali ligado aquele universo, os rostos são conhecidos, alguns rostos você já gosta no primeiro minuto, outros nem tanto, mas são essenciais. Esse é o segredo e grande trunfo da trama das séries, o elenco.


Chicago Med foi introduzida aos poucos, assim que os personagens foram aparecendo em episódios de Fire e PD. Veio o grande anuncio em um crossover entre as duas séries que introduziu o Hospital Chicago Med à trama. Uma bomba explodiu e atingiu parte do hospital e logo depois mais duas bombas foram localizadas, correndo risco de explodirem. 

O episódio foi recorde de audiência e garantiu uma primeira temporada com 18 episódios. Med mostra a rotina da emergência do maior hospital da cidade. Logo na recepção conhecemos a maravilhosa Maggie. Ela é o coração da emergência, uma mãezona e nada passa sem aprovação dela. Um personagem forte que ajuda os pacientes e enfermeiros da melhor forma, sem ela tudo viraria uma bagunça. 


Logo depois somos apresentados a Reese, estudante de medicina, insegura e um pouco atrapalhada. Fica na cola dos médicos, tentando absorver as dinâmicas de uma emergência. April é uma enfermeira dedicada. Ela e Maggie são o lado cômico da série, apresentando diálogos e situações inusitadas  numa emergência.


Dr Halstead e Dr Rhodes tem opiniões diferentes ao atender os pacientes, sempre rola uma tensão entre eles ocasionando brigas constantes. Temos Dra Manning grávida em uma emergência, dificilmente consegue ser imparcial, onde o coração de mãe fala mais alto que o diploma. No time de médicos também temos Dr Choi, um ex-militar, e Dr Charles, responsável pela unidade de Psiquiatria, mas que ajuda os médicos dá emergência como um consultor quando necessário. Todos eles dirigidos por Sharon Goodwin, responsável pelo hospital.

Com episódios eletrizantes, o foco são os casos dos pacientes e não a vida pessoal dos personagens, sem drama, sem vai e vem de casais. Chicago Med desempenhou bem o papel durante a temporada e me fez lembrar dos bons tempos da série 'Plantão Médico'. Um ponto forte da série é Dr Charles, um personagem carismático, rouba a cena e quando não aparece faz falta, além de mentor, faz o papel de grande pai para todos da emergência. Sua experiência e sabedoria é um ponto de escape para todos. Quando algo dá errado já sabemos que Dr Charles vai aparecer para ajudar.


As séries produzidas por Dick Wolf vão sempre muito além, nunca é previsível. Temos casos com bombas, acidentes de trânsito, atiradores, mas ele sempre mostra um outro lado. Casos como a influência das redes sociais nas nossas vidas e a dependência, um alerta para a maneira como nos precipitamos ao julgar um caso pode nos levar ao erro. Crianças que apresentam falta de empatia e o fato dos médicos não aceitarem quando um paciente de recusa a viver, fazendo de tudo para salvá-los, mesmo que isso faça-o perder o emprego.


Outro ponto forte da série é a presença dos personagens de Chicago Fire e Chicago PD em alguns episódios, em sempre acontece, mas é ainda melhor quando aparecem. Os elencos vivem postando fotos e estão presentes nas redes sociais. Assistem os episódios juntos, compartilham memes criados pelos fãs, é sempre uma animação.

Não é uma regra assistir toda a tríade Chicago, você pode assistir a série de forma independente, sem compromisso com as outras, mas é impossível não se apaixonar por todas as séries. Com isso, Chicago Med fez bonito em sua primeira temporada e já garantiu a segunda para 2017.

Chicago Med - 1ª Temporada | Crítica Chicago Med - 1ª Temporada | Crítica Reviewed by Cintia Milanez on quarta-feira, junho 01, 2016 Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

comentários
DISQUS