Reprodução/Divulgação

Perrengue - 1ª Temporada | Crítica


Depois que a MTV Brasil retornou para o domínio da Viacom, lá em 2013, seu perfil de conteúdo mudou muito. De uma programação focada no humor e alguns programas musicais, o canal possou a exibir muitos reality shows e aumentou a frequência de playlists musicais. Porém a emissora não trouxe nada muito grandioso para suas produções nacionais, nem mesmo o VMB, uma premiação que foi esquecida e faz falta para a música nacional.

Depois de alguns anos sem investir em dramaturgia - a última vez também foi em 2013, com 'A Menina Sem Qualidades''Perrengue' foi responsável por reinaugurar esse espaço na programação e trazer um conteúdo jovem e realista. Claro, essa visão de realidade vai depender da identificação de cada um com as temáticas da série. Em 13 episódios conhecemos os amigos Pérola (Mariana Molina), Miguel (Guilherme Dellorto) e Cadu (Vinícius Redd), amigos desde a infância e extremamente confidentes.

Pérola é uma jovem artista que não acredita em sua capacidade e precisa de apoio de muitas pessoas para dar sequência em suas pinturas e levar seus quadros para "todos os consultórios médicos do Rio de Janeiro". Miguel é advogado, acredita que precisa ter uma carreira estável e confortável para viver com sua namorada, Carol (Giovana Echeverria). Porém ele se depara com intensas crises de ansiedade por achar que não vai dar conta de tudo. Cadu é o mais tranquilão do grupo de amigos. Sem emprego, sem preocupações financeiras, sua vida é surfar, ir a festas, conhecer garotas e, quando pode, ajuda na loja que os pais têm próxima à praia.


Mesmo com perfis tão diferentes os personagens carregam em comum as inseguranças da vida adulta, presente na vida da maioria dos jovens, sem contar que carregam um turbilhão de sentimentos, muitas vezes difíceis de controlar. E quando acontece isso, muitos perrengues fazem com que a vida dos três vire uma grande bagunça.

Acompanhamos na série muitas "primeiras vezes" dos protagonistas, como a primeira vez morando sozinho, gravidez, aborto, morte, trabalho, relacionamento à três e até aquela paixão pela amiga da infância sendo finalmente revelada. Foi nisso que me referi lá no início, sobre a identificação com a realidade da série. 'Perrengue' popularizou facilmente pois seu público via um espelho do que viveram ou do que podem vir a viver. E é isso que garantiu seu sucesso.

Sem parecer forçado, 'Perrengue' conseguiu trazer um universo muitas vezes esquecido na dramaturgia brasileira (apesar da temporada atual de 'Malhação: Viva a Diferença' estar fazendo um ótimo trabalho na TV aberta). E o bom disso é que ela pode servir de exemplo para próximas séries ou filmes que estão por vir.

Se ficou curioso e quer conferir, no site da MTV a série está disponibilizada na íntegra (assim como no NOW, da operadora NET/Claro). Até o momento a MTV não anunciou uma segunda temporada para série, mas seu episódio final deixa a várias possibilidades em aberto para uma sequência. Agora resta saber se vamos continuar acompanhando o crescimento pessoal e profissional de Pérola, Miguel e Cadu. Eu espero que sim!

Perrengue - 1ª Temporada | Crítica Perrengue - 1ª Temporada | Crítica Reviewed by Lucio Pozzobon on 13:30:00 Rating: 5