Reprodução/Divulgação


Quando a crise financeira cresce e seus lucros nos negócios caem, você tem duas opções: desistir ou arriscar. Só que as as vezes a vida pessoal já acompanha tantos problemas e mudanças, que é necessário arriscar no trabalho para sair da zona de conforto. E é mais ou menos isso que acompanhamos em 'Negócio das Arábias', o novo filme estrelado por Tom Hanks, lançado no Brasil pelas Mares Filmes.

Alan Clay (Hanks) é um empresário americano que em meio a crise financeira, separação e dívidas para tentar pagar uma faculdade para a filha Kit (Tracey Fairaway), vê na Arábia Saudita uma forma de recuperar suas esperanças e arriscar seu último projeto: um sistema de comunicação por hologramas. Desde do início ele sabia que correria riscos ao ir para um país que não conhecia a cultura e não tinha garantias de aprovação do projeto que, no caso, seria analisado pelo rei.

Alan e sua equipe viajam para preparar a apresentação até um novo complexo habitacional da Arábia Saudita, que promete ter universidades, centros comerciais, além de prédios de luxo para futuros moradores. Claro, que lá eles encontram vários problemas, principalmente de estrutura, como a falta de um bom sinal de Wi-Fi, essencial para o desenvolvimento do trabalho. E isso preocupa o empresário, já que ele está sendo pressionado por seu chefe que espera que o projeto dê certo e aconteça.

Em meio a tudo isso, ele ainda sofre com uma grande dificuldade de acordar no horário, o que leva Alan a contratar Yousef (Alexander Black), um motorista particular um tanto atrapalhado e engraçado, que ajuda a revelar um lado mais divertido do personagem principal, criando uma bela amizade entre os dois.

Mas se você acha que as preocupações de Alan acabaram, é aí que você está enganado. Em suas costas ele tem uma bola enorme, que afeta seus pensamentos e criar uma preocupação que possa ser uma doença grave e terminal. Após uma noite, em que resolver cortá-la com uma faca em seu quarto de hotel, ele acaba indo ao hospital e lá conhece Zahra (Sarita Choudhury), uma médica muito atenciosa, mas também com alguns mistérios. Com o tempo, os dois acabam criando uma ótima relação.

A narrativa, baseada no livro 'Um Holograma Para o Rei', de Dave Eggers, faz uma ótima mistura de bons personagens, belas paisagens, objetivos a serem alcançados e um pouco de romance. Vale ressaltar que o título original ('A Hologram for the King') parece fazer mais sentido na parte final do filme, quando os hologramas são apresentados. Porém, considerando o enredo, é possível entender que o holograma é uma metáfora para a mudança de vida que o personagem passa. Obviamente 'Negócio das Arábias' acaba utilizando termos mais conhecidos por quem acompanha comédias.

No geral, o filme mostrou-se mais divertido do que imaginava. Sem dúvidas a atuação de Tom Hanks são um ponto que definem muito o humor da trama, além da ótima interação com Alexander Back, que considero como um destaque para o filme. Não duvido que após esse, os dois voltem a trabalhar juntos em um novo projeto. 'Negócio das Arábias' é uma ótima opção de filme curto, divertido e com uma boa história.

No Brasil, o filme chega aos cinemas em 4 de agosto e apresenta ao público a campanha #BemVindoGringo, criada pela Mares Filmes. Ela dá um ingresso grátis ao seu amigo gringo e para participar, é só conferir as regras no site da promoção.

Negócio das Arábias | Crítica Negócio das Arábias | Crítica Reviewed by Lucio Pozzobon on 14:02:00 Rating: 5