Reprodução/Divulgação

Procurando Dory l Crítica


Depois de 13 anos de espera, finalmente foi lançado em 30 de junho “Procurando Dory”, sequência de “Procurando Nemo”. A nova animação da Disney Pixar mostra o passado de Dory, como ela se perdeu de sua família e a aventura em busca deles.

O filme começa mostrando a cena que há no trailer, da Dory pequenininha com seus pais, brincando de esconde-esconde. Se a Dory adulta é super simpática, a Dory criança é de uma doçura indescritível! Depois há um corte na cena e vemos a Dory já perdida; o tempo passa, ela cresce, e então encontra o Marlin, pai do Nemo (cena que já vimos no primeiro filme).

Logo depois aparece na tela “Um Ano Depois”, e mostra Dory vivendo com Marlin e Nemo, em perfeita harmonia (claro, na medida do possível, já que Dory é muito atrapalhada). É então que ela tem um flashback, se lembra de seus pais e decide partir em busca deles.

Ao longo do filme há vários flashbacks de Dory na infância, e vamos descobrindo junto com a peixinha sobre o seu passado. Marlin e Nemo vão com Dory nessa nova aventura, mas em certo ponto eles acabam se separando. Porém Dory acaba fazendo novos amigos, e reencontrando alguns antigos. Atenção para a baleia míope, Destiny, e sua amiga beluga.

Alguns pontos que ficaram abertos no primeiro filme são esclarecidos nesse, como a origem da Dory saber falar baleiês e o porquê dela cantar a música “Continue a Nadar”.

O filme segue o estilo de “Procurando Nemo”, sendo fofo com várias cenas engraçadas. Mas por trás disso há as lições que ficam para as crianças (e os adultos). Mesmo tendo o problema de perda de memória, Dory não mede esforços para encontrar seus pais; pela primeira vez ela sente saudades de algo, e faz de tudo para se juntar novamente à sua família.

Por outro lado, vemos o valor da amizade, já que Marlin e Nemo ajudam a amiga, e quando ficam longe dela percebem o quanto ela faz falta e enxergam suas qualidades. Pois, apesar de ser atrapalhada e ter perda de memória recente, Dory é corajosa, esperta, gentil e está sempre pronta a ajudar.

Outra lição que fica é para acreditarmos em nós mesmos. A beluga é saudável, mas não consegue usar seu “radar”; porém no momento de precisão e depois de várias tentativas, dá tudo certo.

E assim como foi em “Procurando Nemo”, fica a lição para os pais, de que por mais que os filhos tenham dificuldades, é preciso deixa-los aprenderem a conviver com elas e se superarem.

A animação, além de divertida, é emocionante, e chorei muito em certa cena (mas não posso contar porque é spoiler). A Pixar conseguiu manter o nível de “Pocurando Nemo” e fazer de “Procurando Dory” outro enorme sucesso.


E para finalizar, um breve comentário sobre o curta animado “Piper: Descobrindo o Mundo”, que é exibido antes do filme. Nele conhecemos um filhote de pássaro que vive perto do mar. Sua mãe o ensina a pegar comida sozinho e acompanhamos o passo a passo de sua independência. O curta é bem fofo e de uma sutileza incrível!

Procurando Dory l Crítica Procurando Dory l Crítica Reviewed by Desirée Soares on quarta-feira, julho 20, 2016 Rating: 5

0 COMENTÁRIOS

Postar um comentário

comentários
DISQUS